Indicações

  • Esclarecimento de quadros de anemia ferropénica, hemorragia digestiva, diarreia crónica, dor abdominal crónica, quando a investigação com endoscopia digestiva alta e colonoscopia com ileoscopia não identificou lesões suspeitas.
  • Avaliação de porções do intestino delgado que não são acessíveis com a endoscopia digestiva alta ou com a colonoscopia, para esclarecimento de anomalias identificadas por outros métodos – videocápsula, tomografia computorizada, ressonância magnética ou enteroclise. 
  • Suspeita de doença de Crohn.
  • Suspeita de tumores do intestino delgado.
  • Realização de biopsias em lesões ou em mucosa do intestino delgado, para ajudar a fazer um diagnóstico. 
  • Avaliação da resposta à terapêutica instituída nos casos de doença celíaca ou de doença de Cröhn. 
  • Marcação/tatuagem de lesões do intestino delgado, para facilitar a sua posterior localização e remoção cirúrgica.
  • Tratamento de hemorragia secundária a angiectasias e malformações artério-venosas do intestino delgado (por exemplo, através de fulguração com Argon-Plasma, aplicação de hemoclips, injeção de fármacos).
  • Remoção de corpos estranhos (por exemplo, videocápsulas retidas).
  • Excisão de pólipos do intestino delgado, especialmente em doentes com síndromes polipoides (por exemplo, síndrome de Peutz-Jeghers ou Polipose Juvenil). 
  • Dilatação de estenoses do intestino delgado (por exemplo, estenoses pós-operatórias; estenoses secundárias a doença de Cröhn).
  • Colocação de tubos de alimentação (jejunostomia).