Apresentação da Técnica

A enteroscopia por cápsula ou videocápsula é um método de diagnóstico que consiste na utilização de uma pequena cápsula com uma câmara incorporada que vai captando imagens do tubo digestivo desde que é deglutida até ser expelida nas fezes. À medida que a cápsula progride ao longo do tubo digestivo, a câmara vai tirando centenas de fotografias que são transmitidas para um pequeno gravador de bolso que o doente traz à cintura. A videocápsula permite visualizar o intestino delgado, localizado entre o estômago e o cólon, que constitui um segmento do tubo digestivo dificilmente acessível pelos métodos endoscópicos convencionais.

O procedimento inicia-se em meio hospitalar, com a aplicação de vários adesivos no abdómen, que constituem as antenas que estabelecem a comunicação entre a câmara da cápsula e o gravador que se encontra à cintura do doente num cinto próprio. Ainda sob supervisão do Médico, quando o gravador está operacional, o doente deglute a cápsula com um copo de água. A videocápsula é pouco maior que uma comprimido tradicional, sendo facilmente deglutida. Depois de passar a garganta, o movimento da cápsula ao longo do tubo digestivo não é percetível. O doente pode sair do hospital, conduzir o seu automóvel e, dependendo da profissão, pode regressar ao trabalho, devendo evitar exercício físico ou qualquer atividade que interfira com o gravador. 

Duas horas após deglutir a cápsula o doente pode beber líquidos límpidos, e após 4 horas poderá tomar um lanche ligeiro, uma vez que, nessa altura, a cápsula já terá progredido o suficiente para que os alimentos não interfiram com a captação das imagens. A enteroscopia por cápsula termina cerca de 8 a 10 horas após a deglutição ou mais cedo se o doente detetar a cápsula nas fezes. A videocápsula é desperdiçada juntamente com as fezes, não sendo necessária a sua recolha. Nesta fase retiram-se os adesivos do abdómen e entregam-se ao Médico juntamente com o gravador. A cápsula pode ser expulsa poucas horas após a sua deglutição ou após vários dias, dependendo da motilidade do tubo digestivo de cada doente. Se a cápsula não for detetada nas fezes até 2 semanas após a sua deglutição, o doente deverá procurar o seu Médico, e uma radiografia abdominal permitirá constatar se a cápsula ainda está no tubo digestivo.