Complicações

A colonoscopia é um procedimento seguro, mas pode ter algumas complicações, particularmente quando se efetuam procedimentos adicionais (por exemplo, remoção de pólipos de grandes dimensões). As complicações da colonoscopia podem incluir:

  • Reações adversas relacionadas com a preparação intestinal (náuseas, vómitos, dor abdominal, alterações hidroeletrolíticas)
  • Hemorragia, maioritariamente após remoção de pólipos, dilatações ou colheita de biopsias. Pode ser imediata ou diferida em alguns dias após o procedimento e, na maioria dos casos, consegue controlar-se com métodos endoscópicos; os casos mais complexos podem implicar uma intervenção cirúrgica
  • Perfuração ou laceração do cólon (particularmente aquando da excisão de lesões ou após dilatações), que pode necessitar de intervenção cirúrgica quando não é possível a sua resolução endoscópica imediata
  • Síndrome pós-polipectomia – pode desenvolver-se nos primeiros 5 dias após a remoção de pólipos, e caracteriza-se por dor abdominal localizada, febre e alterações analíticas (leucocitose), alterações secundárias à lesão da parede intestinal. A maioria dos casos não é preocupante e resolve-se com antibióticos, jejum e soros
  • Transmissão de doenças infeciosas (muito baixo risco)
  • Rotura maciça do cólon – embora rara, é uma complicação grave que está associada à utilização de eletrocoagulação após limpeza do cólon com enemas ou quando a limpeza intestinal não foi adequada  
  • Reações adversas à sedação endovenosa (complicações cardiopulmonares)
  • Como em todos os actos médicos interventivos há um risco de mortalidade, embora muito reduzido (menos de 0,1%).

O doente deve discutir com o seu médico os riscos e benefícios do exame, de modo a assinar um consentimento informado que permite a realização do exame.