Diverticulose cólica

{expansivel}

O que é?

Os divertículos são pequenas bolsas que se formam na parede de qualquer segmento do tudo digestivo (figura 1), sendo a sua ocorrência mais frequente no intestino grosso (cólon).

A presença de múltiplos divertículos designa-se por diverticulose.

{/expansivel}

{expansivel} 

Qual a sua causa e fatores de risco?

Estas bolsas ocorrem quando a camada interna da parede do tubo digestivo é empurrada, devido à pressão exercida no cólon, através de pontos fracos da parede do cólon.

Os seguintes factores podem aumentar o risco de aparecimento de divertículos do cólon:

  1. O envelhecimento: A probabilidade de desenvolvimento de divertículos é superior nas pessoas com mais de 40 anos;
  2. Alimentação pobre em fibra: Os divertículos são pouco frequentes nos países em que as pessoas se alimentam de uma dieta rica em fibras, que mantém as fezes mais moles e volumosas, mas são frequentes nos países industrializados, nomeadamente na Europa e Estados Unidos da América.

{/expansivel}

{expansivel}

Quais os sintomas?

Os divertículos, habitualmente, não condicionam sintomas.

Várias queixas têm sido associadas aos divertículos, das quais as mais frequentes são a dor abdominal, que pode ser agravada pela ingestão de alimentos e aliviada pela defecação, alterações do trânsito intestinal, como a obstipação ou episódios esporádicos de diarreia.

Contudo, estes sintomas são semelhantes aos observados nos indivíduos que apresentam uma doença denominada síndroma do intestino irritável, pelo que, a sua relação com a doença diverticular ainda não está completamente estabelecida.

{/expansivel}

{expansivel}

Existem complicações?

Como já foi dito, os divertículos habitualmente não provocam sintomas. Podem, contudo, causar diverticulite, hemorragia, ou, raramente, perfuração ou formação de fístulas.

O que é a diverticulite - Esta condição ocorre quando existe inflamação ou infeção de um ou mais divertículos.

Ainda não é claro o motivo pelo qual os divertículos podem inflamar. Admite-se que forças mecânicas como o aumento da pressão no cólon ou o encerramento da abertura do orifício do divertículo por fezes possam levar à infeção e inflamação. Sabe-se que o sedentarismo, a obesidade extrema e o consumo de tabaco estão associdados a um aumento do risco de diverticulite.

No passado os médicos pensavam que o consumo de frutos secos, sementes, milho ou pipocas, ao ficarem presos nos divertículos, poderiam causar inflamação dos mesmos. Múltiplos estudos vieram demonstrar que o consumo destes alimentos não aumenta o risco de diverticulite. 

A diverticulite pode causar dor abdominal intensa, febre, náuseas e alteração significativa dos hábitos intestinais.

Embora os casos ligeiros de diverticulite possam ser tratados com o repouso, alterações alimentares e antibióticos, os casos mais graves podem vir a necessitar de uma intervenção cirúrgica.

{/expansivel}

{expansivel}

Como se diagnostica?

Os divertículos podem ser detetados em exames endoscópicos (colonoscopia ou sigmoidoscopia) ou em exames imagiológicos como por exemplo o clister opaco ou a tomografia computorizada abdominal.

A maioria dos divertículos é diagnosticada acidentalmente em exames solicitados por outros motivos. 

{/expansivel}

{expansivel}

Como se trata?

A diverticulose que não se acompanha de sintomas não necessita de qualquer vigilância ou tratamento.

O tratamento das queixas associadas aos divertículos tem um tratamento semelhante ao das queixas associadas à síndroma do intestino irritável e baseia-se no aumento do conteúdo de fibra na dieta, utilização de laxantes ou de medicamentos que reduzem os espasmos intestinais. 

O tratamento da diverticulite já foi sumariamente descrito. As outras complicações dos divertículos necessitam de tratamento adequado à situação clínica, podendo ser necessário recorrer a internamento/intervenção cirúrgica. 

Figura 1 - Divertículos do cólon