Úlcera péptica

 

{expansivel}

O que é? 

A úlcera péptica é uma ferida que ocorre na camada de revestimento interno, chamada mucosa, do esófago (úlcera esofágica), do estômago (úlcera gástrica) ou da primeira porção do intestino delgado (úlcera duodenal).

{/expansivel}

{expansivel}

Qual a sua causa e fatores de risco? 

A maioria das úlceras pépticas é causada por uma infeção por uma bactéria chamada Helicobacter pylori ou por medicamentos anti-inflamatórios ou anti-agregantes plaquetários (como é o caso do ácido acetilsalicílico – aspirina®, a ticlopidina ou o clopidogrel).

Ao contrário do que se pensava anteriormente, o stress e os alimentos picantes não provocam úlcera péptica!

{/expansivel}

{expansivel}

Quais os sintomas?

O principal sintoma da úlcera péptica é a dor intensa, localizada na região superior e mediana do abdómen. Esta dor é provocada pela própria ferida, em especial quando o ácido do estômago entra em contacto com ela. A dor caracteristicamente alivia com a ingestão de alimentos e agrava com o jejum. É frequente surgir dor nocturna que acorda o doente. Esta dor pode desaparecer e voltar a surgir após alguns dias ou meses.

Podem, ainda, surgir outras queixas como por exemplo náuseas ou vómitos, por vezes com sangue, fezes pretas (ver hemorragia digestiva) e perda de peso.

{/expansivel}

{expansivel}

Existem complicações?

Quando não tratadas as úlceras pépticas podem originar: 

  1. Hemorragia digestiva: A hemorragia pode ser em pequena quantidade e apenas ser observável em análises de sangue ou ser massiva e necessitar de internamento e transfusões de sangue;
  2. Perfuração: As úlceras pépticas podem causar um buraco na parede do estômago ou do duodeno que origina um processo de inflamação e infeção da cavidade abdominal denominado peritonite;
  3. Cicatrizes e Estenoses: A inflamação pode causar cicatrizes que originam apertos que provocam dificuldade na passagem dos alimentos.

{/expansivel}

{expansivel}

Como se diagnostica?

O diagnóstico é efectuado através de um exame endoscópico denominado endoscopia digestiva alta, na qual um tubo flexível é introduzido pela boca e permite a observação do esófago, estômago e duodeno.

Por vezes pode ser necessária a colheita de pequenos fragmentos da mucosa para análise microscópica, com o objectivo de distinguir a úlcera péptica de outras doenças como por exemplo o cancro do estômago.

Para além disso, podem ser necessários exames para avaliar a presença da bactéria Helicobacter pylori.

{/expansivel}

{expansivel}

Como se trata?

O tratamento da úlcera péptica inclui:

  1. Antibióticos destinados a eliminar a bactéria Helicobacter pylori, caso se demonstre a infeção pela bactéria. O tratamento habitualmente utilizado inclui uma combinação de dois a três antibióticos e de um inibidor da supressão do ácido gástrico durante 10 a 14 dias. Após o tratamento, é necessária a confirmação da erradicação da infecção por esta bactéria. O teste mais frequentemente utilizado é um teste respiratório. Habitualmente não é necessário repetir a endoscopia digestiva alta;
  2. Inibidores da supressão do ácido – Os fármacos mais frequentemente utilizados são os inibidores da bomba de protões (omeprazol, rabeprazol, lanzoprazol, pantoprazol e esomeprazol). Estes medicamentos inibem de forma intensa e duradoura a secreção de ácido pelas células do estômago e são prescritos, habitualmente, durante cerca de 2 meses, com o objectivo de possibilitar a cicatrização completa da úlcera;
  3. Evitar ou reduzir o consumo de analgésicos, anti-inflamatórios e anti-agregantes plaquetários.

Não existe necessidade de efectuar alterações aos hábitos alimentares habituais!

A maioria das úlceras pépticas respondem bem ao tratamento. As principais causas de falência do tratamento são o não cumprimento da prescrição médica, a resistência do Helicobacter pylori aos antibióticos prescritos e o consumo excessivo de anti-inflamatórios. Existem, depois, algumas causas menos frequentes para a falência do tratamento, nomeadamente uma doença que provoca aumento da secreção de ácido pelas células do estômago chamada síndroma de Zollinger-Ellison e doenças que provocam úlceras parecidas com a úlcera péptica como é o caso do cancro gástrico e a doença de Crohn.  

Caso exista persistência de sintomas após o tratamento ou caso a úlcera péptica se localize no estômago, pode ser necessária a realização de nova endoscopia digestiva alta para excluir outras doenças, em especial o cancro gástrico.