O Tratamento

O tratamento do Cancro Cancro::Doença na qual as células se multiplicam sem controlo do organismo. As células cancerosas invadem os tecidos e orgãos adjacentes e disseminam-se para outras partes do organismo. coloretal...

Existe ou não tratamento curativo?

O tratamento curativo inclui obrigatoriamente a cirurgia. E o maior receio é ficar com o intestino a funcionar à pele, na parede do abdómen, procedimento que é designado por Colostomia. Colostomia::Orifício artificial, criado cirurgicamente, que consiste numa ligação direta do cólon à parede abdominal, através da qual ocorre a saída das fezes, geralmente para um saco coletor. A pergunta que lemos nos olhos do doente quando lhe dizemos que tem um tumor no intestino e que precisa de ser operado: “Doutora, vou ficar com o intestino a funcionar para um saco?” Esta opção depende da proximidade do tumor ao ânus e quando o tumor invade o ânus é, infelizmente, uma situação definitiva, permanente, mas, felizmente, é uma situação pouco frequente. No entanto, poderá ser a única forma de remover todo o tumor e, assim, tratar o doente com intenção curativa.

A Colostomia Colostomia::Orifício artificial, criado cirurgicamente, que consiste numa ligação direta do cólon à parede abdominal, através da qual ocorre a saída das fezes, geralmente para um saco coletor. poderá ser realizada noutras situações. Por vezes, após a resseção do tumor, a união cirúrgica do intestino fica muito junto ao ânus. Com o objectivo de facilitar a cicatrização, é necessário desviar as fezes e, assim, o intestino terá de funcionar transitoriamente para um “saco”. Decorridos os 3 a 4 meses necessários a uma cicatrização completa, a Colostomia Colostomia::Orifício artificial, criado cirurgicamente, que consiste numa ligação direta do cólon à parede abdominal, através da qual ocorre a saída das fezes, geralmente para um saco coletor. será encerrada e o trânsito intestinal restabelecido. Infelizmente, este tumor cresce de forma silenciosa e por vezes o intestino fica completamente obstruído impedindo a passagem de fezes e até de gases, facto que coloca em risco a vida do doente. Perante este quadro, o cirurgião não tem outra alternativa senão realizar com urgência a Colostomia Colostomia::Orifício artificial, criado cirurgicamente, que consiste numa ligação direta do cólon à parede abdominal, através da qual ocorre a saída das fezes, geralmente para um saco coletor. mas, neste caso, a intenção não é tratar o tumor, mas sim, salvar a vida do doente desviando as fezes para o “saco”. Numa segunda fase, será então equacionado o tratamento do tumor sem pôr em risco a vida do doente. Percebe-se, portanto, a importância da cirurgia.

Mas existem outras terapêuticas, como a quimioterapia e a radioterapia. No entanto, tem de saber que estas terapêuticas quando isoladas, quer dizer sem cirurgia, nunca poderão ser curativas. Assim, a sua utilização tem como principal objectivo garantir a eficácia da cirurgia, reduzir a recidiva do tumor, prolongar a sobrevivência e reduzir a mortalidade dos doentes. A quimio e a radioterapia podem ser realizadas antes da cirurgia ou/e depois da cirurgia. Hoje sabe-se que, efectivamente, em determinadas situações, estas terapêuticas associadas à cirurgia prolongam significativamente a sobrevivência dos doentes.

Contudo, nem sempre é possível tratar os doentes de forma curativa porque o tumor está de tal forma disseminado que inviabiliza a cirurgia. Nestas situações, a quimio e a radioterapia podem ser utilizadas, mas apenas com a intenção de resolver alguns dos sintomas que os doentes referem, tentando pelo menos estabilizar ou atrasar o crescimento do tumor. Sendo a quimio e a radioterapia terapêuticas agressivas com efeitos secundários, tem de se assegurar que os benefícios sejam superiores aos prejuízos, pois o principal objetivo é melhorar a qualidade de vida dos doentes.

No entanto, e apesar do recurso a estas terapêuticas sempre agressivas, a mortalidade por Cancro Cancro::Doença na qual as células se multiplicam sem controlo do organismo. As células cancerosas invadem os tecidos e orgãos adjacentes e disseminam-se para outras partes do organismo. do Cólon Cólon::Intestino grosso. e Reto Reto::Segmento final do intestino grosso, conduzindo ao ânus. continua elevada. Portanto, caro cidadão, comece a preocupar-se antes dos sintomas aparecerem.

O problema essencial é que o Cancro Cancro::Doença na qual as células se multiplicam sem controlo do organismo. As células cancerosas invadem os tecidos e orgãos adjacentes e disseminam-se para outras partes do organismo. do intestino é uma doença silenciosa. Este facto significa que aparece, evolui e cresce de forma imperceptível e que, infelizmente, quando aparecem os sintomas, o Cancro Cancro::Doença na qual as células se multiplicam sem controlo do organismo. As células cancerosas invadem os tecidos e orgãos adjacentes e disseminam-se para outras partes do organismo. está, na maioria dos casos, numa fase tão avançada que se ultrapassou a possibilidade de terapêutica curativa.